Solenidade Santa Maria, Mãe de Deus - Segunda 01/01/2018
Anúncio do Evangelho (Lc 2,16-21)
 
 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
 
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
 
 
Naquele tempo, 
16 os pastores foram às pressas a Belém e encontraram Maria e José, e o recém-nascido deitado na manjedoura.
17 Tendo-o visto, contaram o que lhes fora dito sobre o menino. 
18 E todos os que ouviram os pastores ficaram maravilhados com aquilo que contavam.
19 Quanto a Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração.
20 Os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo que tinham visto e ouvido, conforme lhes tinha sido dito. 
21 Quando se completaram os oito dias para a circuncisão do menino, deram-lhe o nome de Jesus, como fora chamado pelo anjo antes de ser concebido.
 
 

 
 
— Palavra do Senhor.
— Glória a vós, Senhor.
Sagrada Família: Jesus, Maria, José - Domingo 31/12/2017
Anúncio do Evangelho (Lc 2,22-40)
 
 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
 
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
 
 
22 Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor. 
23 Conforme está escrito na Lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”. 
24 Foram também oferecer o sacrifício — um par de rolas ou dois pombinhos — como está ordenado na Lei do Senhor.
25 Em Jerusalém, havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso, e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele 
26 e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.
27 Movido pelo Espírito, Simeão foi ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava, 
28 Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: 
29 “Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; 
30 porque meu olhos viram a tua salvação, 
31 que preparaste diante de todos os povos: 
32 luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”. 
33 O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele.
34 Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 
35 Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te transpassará a alma”.
36 Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 
37 Depois ficara viúva, e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do Templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 
38 Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém.
39 Depois de cumprirem tudo, conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 
40 O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.
 
 

 
 
— Palavra do Senhor.
— Glória a vós, Senhor.
— Glória a vós, Senhor.25º Domingo do Tempo Comum - 24/09/2017
Anúncio do Evangelho (Mt 18,21-35)
 
 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
 
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.
 
 
Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos:
01  “O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 
02  Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha.
03  Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 
04  e lhes disse: ‘Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo’. 
05  E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa.
06  Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: ‘Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ 
07  Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou’. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha’.
08  Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!’
09  Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 
10  Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata.
11  Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 
12  Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’.
13  Então o patrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 
14  Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 
15  Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?’ 
16a Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”.
 
 
 
 
— Palavra do Senhor.
— Glória a vós, Senhor.25º Domingo do Tempo Comum - 24/09/2017
Anúncio do Evangelho (Mt 18,21-35)
 
 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
 
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.
 
 
Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos:
01  “O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 
02  Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha.
03  Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 
04  e lhes disse: ‘Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo’. 
05  E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa.
06  Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: ‘Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ 
07  Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou’. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha’.
08  Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!’
09  Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 
10  Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata.
11  Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 
12  Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’.
13  Então o patrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 
14  Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 
15  Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?’ 
16a Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”.
 
 
 
 
— Palavra do Senhor.
— Glória a vós, Senhor.
 
(clique acima para conhecer o trabalho do dizimista)
 
 
"Que você e seus familiares tenham um Feliz e Santo Natal
e um Ano Novo cheio de Paz, Saúde e Misericórdia!"